Arquivo de 25 de julho de 2013

DICAS PARA EVITAR FRAUDES

Como já é do conhecimento de todos, nos últimos anos as ocorrências de fraudes aumentaram de forma preocupante. A popularidade e facilidade do ‘crédito consignado’ aliada muitas vezes a falta de preparo dos profissionais torna o setor vulnerável a golpes. É preciso estar bem preparado para não ser vítima dos fraudadores.

Vamos reforçar algumas medidas que podem nos SALVAR de FRAUDES? Vamos lá!

1. A assinatura do cliente é um dos principais fatores a serem 
observados, pois com o passar do tempo suas características são 
mantidas.

2. Deve-se exigir a assinatura do cliente semelhante aos documentos
apresentados observando sempre as primeiras e últimas letras de
cada nome, pois dificilmente mudam.

3. Confrontar as assinaturas do RG e CPF; se forem idênticas e os documentos de épocas diferentes, cuidado, pois normalmente a assinatura não fica igual com o passar do tempo.

4. Tenha sempre preferência por comprovantes de residência em nome do cliente.

5. Checar se o endereço do comprovante de residência é compatível com o local em que o cliente recebe o benefício (Consultar localidade da agência pagadora no Dataprev).

6. Faça sempre um cadastro ‘rico’ de seus clientes, colete o máximo de informações possíveis. Telefones e Endereços são essenciais caso você precise localizar o cliente diante de uma eventualidade.

7. Checar rigorosamente as cópias dos documentos pessoais (RG e CPF), e compará-las com os documentos originais. Deve-se visualizar atentamente o RG, conferir a colagem da foto e as condições do documento. Com o passar dos anos, é comum os documentos estarem desgastados. Os que estiverem em bom estado merecem uma atenção ainda maior.

8. Verificar se a data de nascimento é compatível com a aparência do cliente.

9. Não aceitar em hipótese nenhuma cópia de documentos ilegíveis!

10. Conferir a assinatura feita pelo cliente no CONTRATO com a do seu Documento de Identificação. Este ponto é ESSENCIAL, pois diante de uma reclamação um dos fatores a serem analisados é justamente a ASSINATURA. Caso a assinatura não esteja compatível com a do Documento, solicitar que o cliente assine novamente.

11. No momento em que estiver com o cliente, NÃO ESQUEÇA de fazer perguntas inesperadas e conferir com as informações do RG: onde nasceu? nome do pai? data de nascimento? etc… Este tipo de pergunta tem ajudado a evitar muitas fraudes, pratique sempre!

12. Quando possível, checar a conta corrente de destino do crédito. Caso seja recém aberta, redobrar a atenção.

13. Verificar e checar se os telefones informados pelo cliente estão ativos e atendendo.

14. A formação da operação, contratodocumentoschecagem das assinaturas, devem ser rigorosamente verificados e checados pelos receptores/vendedores.

15. Exija sempre a DOCUMENTAÇÃO ORIGINAL no momento da contratação do empréstimo.

16. Exigir sempre o original do cartão de beneficio do INSS ou da Conta Bancária do cliente.

17. Muito cuidado com os clientes que não questionam sobre valor de parcela ou prazo. Clientes que não se preocupam com as condições do empréstimo merecem cuidado redobrado!

18. Mantenha-se sempre informado sobre os tipos de golpes que estão acontecendo na praça e busque sempre informativos de prevenção como este.

Divulgue estas informações com sua equipe e com seus colegas de trabalho, mantenha sempre este informativo por perto. Com certeza se todos os cuidados que citamos forem tomados, dificilmente você será vítima de fraude. Lembre-se: Mais vale a qualidade do que a quantidade.

Aconselhamos também a todos que ainda não se certificaram, buscar urgentemente o agendamento de sua prova de certificação; em 2014 todos terão que obrigatoriamente ter a certificação.

(O conteúdo deste informativo foi coletado de diversos manuais e notícias disponibilizados na internet.)

BRADESCO CORTA JURO NO CRÉDITO CONSIGNADO

Enquanto o Banco do Brasil corrige os excessos nos cortes nos juros para empresas, outro movimento relevante observado em levantamento feito pelo Valor com base em dados do Banco Central foi o corte das taxas média efetivas praticadas pelo Bradesco nas linhas de crédito consignado.

O juro cobrado dos servidores públicos caiu de 1,85% para 1,66% entre o primeiro e o segundo trimestre deste ano, uma redução de 10%, que coloca a taxa do banco como a segunda mais competitiva entre as instituições de grande porte. Nos empréstimos para os aposentados do INSS, o corte foi ainda maior, de 15%, saindo de 2,34% para 1,97% mensais.

1

 

 

 

 

 

Oficialmente, o banco informou, em nota, que não mudou as taxas mínimas e máximas praticadas nas linhas. Mas disse que “a taxa pode sofrer pequenas alterações conforme o perfil diário das contratações das operações”.

O que ficou claro com a divulgação do balanço da instituição na segunda-feira é que a taxa menor tem ajudado a garantir volume. O saldo de crédito consignado do Bradesco cresceu 8,1% entre março e junho, para R$ 24,26 bilhões, só ficando atrás da alta de 8,5% observada no financiamento imobiliário. No total, a carteira de pessoas físicas cresceu apenas 3,6%.

Em teleconferência ontem com analistas, o Bradesco disse que aposta na manutenção de um cenário bastante competitivo para o mercado de crédito este ano, o que deve evitar a elevação do spread, que se manteve em 7,2% no banco de janeiro a junho, e pode levar até a uma queda para 7%. “Esperamos mais competição neste ano, com os bancos privados prevendo crescer mais”, disse Luiz Carlos Angelotti, diretor de relações com investidores do banco. Questionado sobre os bancos públicos, contudo, Angelotti considera que a concorrência está mais “saudável” em 2013 do que no ano passado – o que corrobora os dados do levantamento sobre o ajuste feito pelo BB.

Apesar da recente piora de cenário, Itaú, Bradesco e Santander ainda devem mostrar um avanço de crédito maior do que o de 2012. O ponto médio da previsão do Bradesco, de 13%, supera a expansão de 11,5% alcançada no ano passado. O intervalo de 11% a 14% do Itaú é maior que os 7,4% de 2012 e a meta de 10% do Santander supera o índice de 8,3% do ano anterior.

(Colaborou Carolina Mandl)

(Fonte: www.valor.com.br)

CERTIFICAÇÃO DOS AGENTES DE CRÉDITO

Lembramos a todos que o prazo de certificação é até Fevereiro/2014.

Todos os bancos terão seus sistemas alterados e para inclusão de propostas, será preciso se identificar através do seu n° de registro que é emitido após a conclusão do processo de certificação.

Não há mais tempo para esperar, informe-se e marque sua prova.

https://www.certificacaoaneps.com.br/Public/Home.aspx

Para maiores informações, contate seu suporte.

INSS TOMA MEDIDA PARA CIRANDA DO CONSIGNADO

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) baixou uma norma para dificultar o que é conhecido ciranda do consignado: o aposentado ou pensionista pede o cancelamento de um empréstimo com o argumento de que se trata de uma fraude. Assim que o órgão suspende os descontos no contracheque, toma outro.

Desde a última sexta-feira (12), o aposentado só vai ter seu limite de endividamento liberado depois de o INSS confirmar se de fato houve fraude – o que pode levar até 60 dias.

Segundo o diretor de benefícios do INSS, Benedito Brunca, a maioria das denúncias de irregularidades não se confirmam – na verdade, a reclamação ao INSS só é feita para driblar a cobrança do empréstimo, por meio da suspensão dos descontos, e permitir a tomada de um novo crédito.

“Tomávamos pela boa fé que a pessoa de fato estava certa daquilo que reclamava. Então cancelávamos e devolvíamos a ela a margem consignável [ o limite de endividamento ]”, diz Brunca ao iG . “Aí, na prática, começaram a ocorrer abusos e as pessoas começaram a fraudar o sistema. E quando se provava que estava tudo regular, [ a pessoa ] já tinha contratado outro empréstimo.”

Nesses casos, quando descobria que o empréstimo era regular – ou seja, que a pessoa de fato feito a contratação do crédito – o INSS não conseguia restabelecer os descontos das parcelas. O primeiro prejudicado era o banco, que tomava o calote. Mas o aposentado ou pensionista também corria o risco de ser acionado pela instituição financeira para pagar a dívida.

Para Brunca, muitos aposentados são levados a entrar na ciranda sem tomar consciência das consequências.

“É expressivo o número de pessoas que estavam sendo induzidas a esse tipo de erro até por correspondentes bancários, intermediários e advogados”, diz.

De acordo com o INSS, a nova regra vale também para os descontos bloqueados por decisão judicial. Em maio, a corregedoria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) deu início a uma investigação para apurar o envolvimento de magistrados em fraudes destinadas a classificar empréstimos consignados como irregulares, para assim permitir o bloqueio do desconto das parcelas e a tomada de novos créditos.

Desde a sexta-feira (12), o instituto também passou a impedir a tomada de crédito consignado logo em seguida à transferência do benefício de um banco para outro. Após a mudança, o beneficiário vai ter de esperar 60 dias para poder contratar um empréstimo.

Lançado pelo governo Lula (2003-2010), o crédito consignado do INSS permite que aposentados e pensionistas obtenham empréstimos a taxas menores do que outras linhas de financiamento pessoal. Hoje, são fechados aproximadamente 800 mil contratos por mês.

‘Pastinhas’ são o próximo foco

O diretor de benefícios do INSS também disse esperar que nos próximos três meses saia a regulamentação que obriga o parcelamento da comissão cobrada pela concessão do crédito e é embutida nos juros do financiamento.

Hoje, os agentes de crédito – conhecidos como pastinhas – recebem a comissão integralmente no ato da contratação do empréstimo. A ideia é que o pagamento seja parcelada no mesmo número de vezes que o empréstimo e seja cancelado se os descontos também o forem.

“Isso vai desestimular que os pastinhas fiquem reiteradamente procurando o beneficiário para fazer novas contratações, sempre no intuito de ganhar uma nova comissão e, às vezes, em detrimento do aposentado e até da instituição financeira”, diz Brunca.

Essa mudança já está prevista desde outubro de 2012 por uma resolução do Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS), mas ainda não entrou em vigor.

Em nota, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) informou que “discute internamente” políticas de remuneração dos correspondentes bancários que trabalham com consignados.

(Fonte: Portal IG)